ADOLFO CASAIS MONTEIRO
: : print
/

ADOLFO CASAIS MONTEIRO

(1908-1972) Adolfo Victor Casais Monteiro nasceu na cidade do Porto a 4 de julho de 1908, tendo recebido uma educação liberal, típica da burguesia portuense. Já no meio universitário, influenciado por Leonardo Coimbra, Casais Monteiro publicou, ainda durante a sua licenciatura, o livro de poesia Confusão (1929). Nesse ano, assumiu um cargo na direção da revista A Águia. Em 1931, Casais Monteiro foi recebido na direção da revista coimbrã Presença, que coordenou, ao lado de Gaspar Simões e José Régio, até 1940. Estas revistas ajudaram na divulgação de artistas europeus até à data desconhecidos pelos...
Ler mais
: : print
/

ALBERTO PIMENTA

(1937-) Mais do que um poeta português, Alberto Pimenta é, desde cedo, um poeta da Europa. É ainda um poeta cujo conhecimento linguístico, cultural e até mitológico do continente no seu todo e de alguns dos seus países singularmente lhe permite adotar um posicionamento poético-político não só questionador, quanto antecipador dos destinos europeus. Se durante muitos anos este poeta, ficcionista, dramaturgo, ensaísta, performer, figura televisiva de “Arte de ser Português”esteve votado à marginalidade, a tendência tem sido – embora sem acomodação do autor – para um crescente interesse na leitura e estudo da sua obra....
Ler mais
: : print
/

AMIN MAALOUF

(1949- ) Escritor libanês radicado em França, desde que para lá se deslocou na sequência da guerra no Líbano, Amin Maalouf tem vindo a repartir a sua obra literária pelas áreas da ficção, do ensaio e dos libretos de ópera, sendo, desde 2011, membro da Académie Française. Exemplo vivo do fronteiriço, como ele próprio se considera, por ser atravessado por várias linhas de fratura (étnicas, religiosas, linguísticas e culturais), o autor sabe-se em posição privilegiada para servir de estafeta e ajudar a lançar pontes de diálogo e de entendimento entre culturas, vendo na literatura, sobretudo...
Ler mais
: : print
/

ANTÓNIO LOBO ANTUNES

(1942- ) Escritor português nascido em 1942, em Lisboa. Formado em Medicina Psiquiátrica, exerceu atividade clínica durante a guerra colonial em Angola, e, posteriormente, em Lisboa, no Hospital Miguel Bombarda. Depois da publicação de Os Cus de Judas (1979), tornou-se um dos mais traduzidos e internacionalmente reconhecidos romancistas portugueses contemporâneos; a partir desse romance, que fecha uma trilogia de inspiração autobiográfica, que, com Conhecimento do Inferno e Memória de Elefante, descrevia uma descida aos infernos, desde a experiência da guerra colonial até à perda do amor e ao regresso a um mundo de loucos, Lobo...
Ler mais
: : print
/

DUBRAVKA UGREŠIĆ

(1949-) Vencedora do  Neustadt Prize for International Literature (2016) , autora de vários ensaios, romances e ficções breves, Dubravka Ugrešić  desafia completamente as usuais  classificações das literaturas pela nacionalidade dos seus autores. Nascida na antiga Jugoslávia, a desintegração do país, no início da década de 90, torná-la-ia numa cidadã croata.  Contudo, Ugrešić rapidamente se mostrou em completo desacordo com o rumo nacionalista e xenófobo  do novo establishement, pelo que em 1993 trocou a Croácia pelo exílio, primeiro em Berlim, depois em Amsterdão, onde se encontra emigrada há mais de 20 anos. Se bem que tenha...
Ler mais
: : print
/

EDUARDO LOURENÇO

(1923 – ) Natural de São Pedro do Rio Seco, aldeia do concelho de Almeida do distrito da Guarda. Com mais de três dezenas de títulos originais, Eduardo Lourenço tem-se destacado, no panorama da literatura e do pensamento em língua portuguesa, como filósofo e ensaísta. O tema da Europa ocupa, desde sempre, um lugar relevante na obra literária lourenciana, como assinalaram, entre outros, Miguel Real e João Tiago Lima. Podemos mesmo afirmar que pertence a um dos capítulos principais das chamadas “mitologias lourencianas” (Cruzeiro 1997: 76). No ensaio sintomaticamente intitulado “Europa ou o diálogo que...
Ler mais
: : print
/

FERNANDO NAMORA

(1919-1989) Fernando Gonçalves Namora nasceu em Condeixa-a-Nova. A sua bibliografia possui cerca de três dezenas de títulos divididos em romance, poesia, novela, narrativas, biografias, crónicas e cadernos de um escritor. Foi distinguido com inúmeros prémios literários e traduções em diferentes línguas e países. Hoje figura ao lado dos melhores romancistas do neorrealismo português, apesar de ter abraçado o romance existencial a partir de Cidade Solitária (1959) e, sobretudo, de Domingo à Tarde (1961). Dostoievski, Tolstoi, Huxley, Sartre, Camus e, em especial, Malraux, são as principais vozes europeias que se escutam no romance e ensaio de...
Ler mais
: : print
/

JEAN-FRANÇOIS DAUVEN

(1978- ) Jean-François Dauven é um escritor belga francófono de origem bruxelense da nova geração de ficcionistas que já pouco ou nada liga à belgitude, o movimento belga de reivindicação identitária dos anos 70. Formado em filosofia, Dauven foi colega no liceu Martin V de Louvain-la-Neuve (Valónia) de outro ficcionista belga francófono contemporâneo, Grégoire Polet. Tendo chegado já a exercer a profissão de canalizador, Dauven trabalha atualmente como editor em Paris, onde também reside. Aliás, a ficção narrativa de ambos os escritores aponta para semelhanças genéricas, estilísticas e temáticas. Com efeito, tal como a ficção...
Ler mais
: : print
/

JORGE DE SENA

(1919-1978) Nascido em Lisboa em 1919, Jorge de Sena levou uma vida de itinerâncias físicas, intelectuais e culturais, de que a intensa produção poética, ficcional e ensaística dá testemunho. Enquanto cadete da Marinha, viajou pela costa africana de expressão portuguesa. Em Portugal, viveu entre Lisboa e o Porto, cidade onde se licenciou em Engenharia Civil, em 1944. Trabalhou catorze anos na Direção-Geral dos Serviços de Urbanização de Lisboa e na Junta Autónoma das Estradas, até que motivos políticos o forçaram ao exílio. Em 1959, por oposição ao Estado Novo, foi para o Brasil, onde se...
Ler mais
: : print
/

JOSÉ MIGUEL SILVA

(1969-) O poeta português contemporâneo José Miguel Silva (n. 1969) publicou, até 2017, os seguintes livros: O Sino de Areia (1999), Ulisses já não Mora Aqui (2002), Vista para um Pátio seguido de Desordem (2003), Movimentos no Escuro (2005), Walkmen (com Manuel de Freitas, 2007), Erros Individuais (2010), Serém, 24 de Março (2011) e Últimos Poemas (2017). Em 2002 participou na antologia Poetas sem Qualidades, organizada por Manuel de Freitas. Tem vindo ainda a publicar, com regularidade, poemas e ensaios nas revistas Telhados de Vidro e Cão Celeste. Na blogosfera mantém uma presença frequente, escrevendo...
Ler mais